domingo, 24 de maio de 2009

Calçadão da XV


No dia 20/05 o Calçadão da XV comemorou 37 anos de nascimento. A primeira rua fechada ao tráfego de carros no Brasil surgiu entre uma sexta-feira e sábado de outono. Seu parto não foi algo singelo e emocionante, mas sim uma obra feita a fórceps, quase um estupro na pacata Curitiba de 72.

A Rua XV de Novembro que já havia se chamado Rua das Flores e Rua da Imperatriz era a principal rua de comércio da cidade, boa parte dos veículos que existiam em Curitiba passavam por ela e nos dias de hoje seu fechamento seria uma guerra sem fim de liminares. Para evitar qualquer tentativa de impedir o prosseguimento do plano a prefeitura decidiu em segredo começar as obras as 18 horas, após o fechamento do comércio. Na manhã seguinte Curitiba descobriu que o trecho entre a Marechal Floriano e a Barão do Rio Branco nunca mais seria transitada por carros.

Não é preciso dizer que num primeiro momento a grande maioria detestou a novidade, mesmo os pedestre que tendo a rua inteira para caminhar se espremiam nas áreas das antigas calçadas. Para resolver o problema e mostrar que o miolo da via era uma área livre a prefeitura instalou bancos e floreiras e assim o curitibano foi se habituando a caminhar pelo calçadão.

Quem também passou a gostar muito da ideia foram os comerciantes, revoltosos de primeira hora. Vendo que quem compra não são os carros mas sim as pessoas e percebendo o aumento de vendas, outras área da XV se articularam pedindo o fechamento. O trecho completo, que vai da Praça Santos Andrade até a Praça Osório já estava completamente fechada em 1976.

O planejamento urbano de Curitiba não nasceu nesse episódio, mas sim com a cidade em 1693, porém esse episódio marcou uma geração de arquitetos que pensaram Curitiba e transformaram ela no que é hoje.

E viva a Boca Maldita.

Foto: http://www.viaje.curitiba.pr.gov.br/fotos/index.html

Um comentário:

Marcelo Lisa disse...

O fechamento da XV de Novembro é um marco simbólico de uma tomada de atitude de se valorizar a qualidade de vida. Acho que podemos dizer que foi até mesmo um momento de mudança de mentalidades onde o Ser Humano foi pôsto como prioridade. Curitiba logo percebeu os bons frutos de sua atitude ousada já que estas intervenções repercutiram em todo o Brasil e mais tarde, até no exterior e , o que parecia um ato de um prefeito insano, logo trouxe turismo movido a esta e a cada nova iniciativa que foi sendo feita , a partir de então.